segunda-feira, 16 de abril de 2012

Perseguição a liderança de greve no SANEP

Seis dias após o término da greve no SANEP, pela manhã, ao chegar ao posto de trabalho, a servidora Rosemeri Santos, redatora deste blog, componente da Comissão de Negociações Salariais 2012 e do Comando de Greve, foi comunicada de que havia sido transferida de local de trabalho e que deveria se apresentar na nova divisão, ou seja; no Departamento de Esgotos – Divisão de Esgotos Pluviais, no mesmo dia, ou seja, hoje, 16/04.
Não houve aviso anterior para a funcionária ou sequer justificativa técnica para a transferência. A própria Chefe da Divisão em que esteve lotada a quase três anos, foi comunicada ao mesmo tempo que a Servidora Transferida. O novo chefe de nada sabia, tendo sido comunicado da transferência pela própria funcionária, por telefone, antes de se apresentar ao posto de trabalho.
A servidora reconhece como dignos todos os postos de trabalho da Autarquia e entende que, não havendo desvio de função, deve exercer sua atividade onde for necessário, contudo, ao chegar à nova divisão, verificou que não há acomodações e nem equipamentos para que possa exercer suas funções, ao mesmo tempo que o trabalho interno e o atendimento ao público resta acumulado para seus colegas da antiga divisão que, além de sua transferência, acabam de perder uma funcionária, concursada e nomeada em outra instituição.
A forma como se deu a transferência não deixa dúvidas de que o ato administrativo não decorreu de necessidade do serviço, mas de uma obscura retaliação contra a organização dos trabalhadores, sobretudo, contra o Direito de Greve, que apesar de consagrado na Constituição da República, não é respeitado pela atual administração.
Como se não bastasse atitude arbitraria e repressiva, pela parte da tarde, ao ser questionado sobre “as razões do remanejamento”, o Diretor Interino do SANEP respondeu à funcionária, perante cinco testemunhas, que o fez “por ordens superiores", ou seja, da Prefeitura de Pelotas.
Não há duvidas que a retaliação sofrida pela servidora tem como objetivo atemorizar os demais funcionários que lutam por melhores condições de vida, assim como, dificultar as mobilizações, contudo, devemos considerar que as relações de poder tem suas peculiaridades e uma atitude como essa só revela o quanto a administração municipal se encontra afetada pelo justo Movimento dos Trabalhadores do SANEP.
Esse episódio não abala em nada, pelo contrário, desmascara o poder e reforça a disposição de quem tem consciência de que a luta é justa e necessária.

Um comentário:

  1. Olá Rose! gostaria que tu fotografasse o teu antigo local de trabalho (tua mesa, cadeira, computador). também fotografa o teu novo local para provar que tu nao tem onde ficar (que não há mesa, cadeira e computador pra ti) e não existe a necessidade da tua presença. Vamos demonstrar que se trata de perseguiçao politica para condena-los por isso e demonstrar como atua a atual administração. (leonardo)

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!