quarta-feira, 30 de junho de 2010

E as contas?

Está no Estatuto do SIMSAPEL:

CAPÍTULO IV - DA ASSEMBLÉIA GERAL

Art. 17. A Assembléia Geral ordinária realizar-se-á:

a) Até o último dia útil do mês de junho de cada ano, para apreciar a prestação de contas dos administradores do Sindicato relativa ao exercício anterior;

Hoje são 30 de junho e não tivemos notícias de nenhuma convocação de Assembléia de prestação de contas.

O que foi feito do nosso dinheiro?

segunda-feira, 28 de junho de 2010

O aumento e a postura do SIMSAPEL

Hoje, saiu um comunicado do SIMSAPEL à categoria. Diga-se de passagem, é assim que a Diretoria do Sindicato se dirige a nós: nunca somos consultados, sempre "comunicados".

Tal comunicado diz que foi acertado com a Direção do SANEP aumento de 6% e encaminhamento de projeto de lei para o reajuste do Refeisul.

A essa altura do ano - ano de eleições -, formou-se a seguinte situação: aceitamos isso ou não teremos nada, porque, findo o mês de junho, não pode ser concedido mais aumento. As eleições serão estaduais e federais. Isso, a princípio não interferiria na esfera municipal, mas, ocorre que a primeira dama do município estará concorrendo nesse pleito. Isso, sim, interfere.

Então, estamos de mãos amarradas. Que fez o SIMSAPEL desde o princípio de abril? "Enrolou" a categoria, priorizando a negociação de um plano que não foi discutido nem aprovado pela categoria e deixou de trabalhar pelo nosso aumento. Estamos sendo repetitivos, mas, não custa lembrar que não fomos consultados em nenhum momento - nem na elaboração do plano, nem no estabelecimento do plano como prioridade, nem sobre o índice do aumento.

Enquanto muitos ficam esbravejando pelos corredores, falando mal da Diretoria do Sindicato, dizendo que "enquanto eles estiverem lá, não me associo", eles fazem o que bem entendem em nosso nome. Hoje, o Sr. Paulo Nogueira, em entrevista a uma rádio local, disse que essa Diretoria foi eleita e pode, sim, negociar salários sem consultar a categoria. Porém, isso é totalmente ilegal, segundo a CLT.

Mas, quem vai reclamar? Os anônimos? De forma velada? Sem se comprometer? Achamos que não! Nós estamos trabalhando, mas, sem o apoio dos colegas, não podemos nada. Aliás, isso foi-nos dito por um dos membros da Diretoria do Sindicato, que só nós é que reclamamos. De certa forma, é sim, ou seja, com comprometimento, assumindo uma luta que deveria ser de todos. Mesmo assim, não desistimos. A audiência do processo em que pedimos a impugnação dessa diretoria e a anulação da eleição será dia 5 de julho e nosso abaixo assinado está à disposição de quem quiser assinar para pedir uma Assembléia Geral.

Ouviu-se falar que a Diretoria iria convocar uma Assembléia para esta semana. Mas, acho que eles temem conversar com a categoria e decidiram nos "comunicar" o acertado com a Direção. É bem assim, eles só conversam com a Direção do SANEP e com a Prefeitura, com os seus representados, não.

Abaixo, trazemos um comunicado do SIMSAPEL publicado na página 13 do Diário da Manhã do dia 22/05/2010 e o comunicado publicado nos murais, hoje. Abaixo, nossos comentários:

Primeiro comunicado:

· No primeiro trecho sublinhado, fica claro quem determinou a prioridade do plano: o Sr. Prefeito.

· No segundo, eles referem-se à importância de levar a proposta do executivo para a Assembléia da categoria e a necessidade de discussão a respeito.

· No último, comprometem-se a marcar uma Assembléia.

Segundo comunicado:

· No primeiro trecho destacado, informam que já definiram tudo com a Direção do SANEP em uma reunião.

· No segundo, dizem que marcarão uma Assembléia para “discutirmos encima de fatos concretos”.

Analisando tudo isso:

Primeiro, a Diretoria do SIMSAPEL, atende a sugestão do Prefeito em priorizar o Plano de Cargos e Salários. Prioridade que também é deles, pois, sendo em maioria celetistas, querem as vantagens que o plano traz para tal quadro.

Entendem que precisam levar uma proposta para ser discutida com a categoria, comprometem-se a marcar uma Assembléia e passam esse tempo todo, desde abril até agora, esperando pelo Prefeito e pela Direção do SANEP. Será que eles não sabiam que o prazo expiraria e não haveria tempo para nos trazer uma proposta, levar contraproposta à Prefeitura e tudo que já se sabe que um sindicato sério deve fazer?

Finalmente, nos comunicam que tudo já está acertado e que é pegar ou largar. E, depois, marcarão uma Assembléia para discutirmos sobre “fatos concretos”, ou seja, fatos irreversíveis.

Além de tudo isso, vêm a público dizer que têm esse direito.

Até quando vamos deixar que eles mandem e desmandem em nosso nome?



sábado, 26 de junho de 2010

Esperança

“Minha esperança é necessária mas não é suficiente. Ela, só, não ganha a luta, mas sem ela a luta fraqueja e titubeia. " (Paulo Freire)

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Aumento

Pois é, Pessoal!

A última notícia da rádio corredor é que o ato do nosso aumento já está pronto. Aumento de 6% e não fala de
Refeisul. Estranho, porque não passou pela Câmara.
Também corre à boca pequena que o SIMSAPEL acordou e vai fazer uma assembléia na semana que vem.
Antes tarde do que nunca!
Se bem que, agora, é bem tarde. Mesmo assim, temos que ir e ver o que é possível fazer.
Não vamos deixar nas mãos deles, de novo!

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Silêncio

Ouvimos falar que a direção do Sindicato não está muito contente com o temos publicado nos informativos. Dizem que está cheio de “inverdades”.
Se há "inverdades", onde está a “verdade”?
Por que o SIMSAPEL não se pronuncia publicamente?
Até quando vão continuar com essa postura de quem pensa que está acima de qualquer questionamento?

O seu silêncio incomoda mais do que as nossas publicações.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Novo horário do SIMSAPEL

Hoje, ligamos para o Sindicato para saber o horário de funcionamento e descobrimos que agora é das 8 às 14h. Perguntamos onde havia sido divulgada essa mudança e nos foi informado que foi afixado cartaz na sede do SIMSAPEL.
Mudança de horário é uma decisão administrativa e cabe à Diretoria. Muito bem. Isso entendemos. Mas, queremos manifestar, aqui, nosso descontentamento com o funcionamento do Sindicato exatamente no horário em que estamos trabalhando.
Acreditamos que o funcionamento deveria ser em horário acessível aos servidores. PRINCIPALMENTE, QUANDO HÁ VÁRIAS PESSOAS QUERENDO SE DIRIGIR ATÉ LÁ PARA TORNAREM-SE SÓCIOS E SE SOMAREM A NÓS NO REQUERIMENTO DO ABAIXO-ASSINADO.
Parece que vamos ter que contar com a boa vontade dos chefes e sair em horário de trabalho. E, dizem alguns colegas: "sempre se fez assim no SANEP".
E o nosso funcionário? É... Caso alguém não saiba, o nosso Sindicato tem um funcionário para cuidar do "bom andamento do serviço" e do "bom atendimento" aos 300 sócios, além dos servidores dispensados do SANEP para o serviço no SIMSAPEL. Pois bem, qual será a carga horária do contrato desse funcionário?

Perguntas, perguntas...

Onde estão as respostas?

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Nossas pernas-de-pau

No último dia 31, o pessoal parou por algumas horas lá na Tamandaré. Queriam explicações do SIMSAPEL a respeito do aumento e do plano de cargos e salários. O Presidente do Sindicato mandou dizer que não tinha nada a conversar com eles. No dia seguinte, recebeu uma comissão, a quem repetiu o de sempre: "informou" que estão negociando o plano e o Refeisul com o prefeito e nada de aumento.
Em primeiro lugar, nunca ouvimos falar de trabalhadores parando pra negociar com o sindicato. Normalmente é o sindicato que lidera as mobilizações dos trabalhadores frente aos patrões.
Depois, é uma falta de respeito nos tratar dessa maneira. Onde já se viu o sindicato não dar satisfações à categoria?!
Será que o nosso Presidente é o "reizinho" da história postada ontem? Parece que sim. Então vamos ter que nos juntar e calçar nossas pernas-de-pau.
Mas, onde estão elas?
Estão no abaixo-assinado que estamos passando para requerer uma assembléia geral. Então, falaremos todos juntos e seremos ouvidos.
Se és sócio do Sindicato, nos procura, assina a lista! Se não fores, te associa! Toma o teu lugar nessa luta e vamos mostrar que o SIMSAPEL é nosso.

Nosso e-mail: agotaquefaltava@gmail.com

domingo, 13 de junho de 2010

História para crianças?!

Há histórias escritas para crianças, mas que pra nós, adultos, dizem muito mais.
É o caso de "O que os olhos não vêem" de Ruth Rocha - extraído de http://www2.uol.com.br/ruthrocha/historias_08.htm.
Dêem uma conferida!


O que os olhos não vêem

Havia uma vez um rei
num reino muito distante,
que vivia em seu palácio
com toda a corte reinante.
Reinar pra ele era fácil,
ele gostava bastante.

Mas um dia, coisa estranha!
Como foi que aconteceu?
Com tristeza do seu povo
nosso rei adoeceu.
De uma doença esquisita,
toda gente, muito aflita,
de repente percebeu...

Pessoas grandes e fortes
o rei enxergava bem.
Mas se fossem pequeninas,
e se falassem baixinho,
o rei não via ninguém.

Por isso, seus funcionários
tinham de ser escolhidos
entre os grandes e falantes,
sempre muito bem nutridos.
Que tivessem muita força,
e que fossem bem nascidos.
E assim, quem fosse pequeno,
da voz fraca, mal vestido,
não conseguia ser visto.
E nunca, nunca era ouvido.

O rei não fazia nada
contra tal situação;
pois nem mesmo acreditava
nessa modificação.
E se não via os pequenos
e sua voz não escutava,
por mais que eles reclamassem
o rei nem mesmo notava.

E o pior é que a doença
num instante se espalhou.
Quem vivia junto ao rei
logo a doença pegou.
E os ministros e os soldados,
funcionários e agregados,
toda essa gente cegou.

De uma cegueira terrível,
que até parecia incrível
de um vivente acreditar,
que os mesmos olhos que viam
pessoas grandes e fortes,
as pessoas pequeninas
não podiam enxergar.

E se, no meio do povo,
nascia algum grandalhão,
era logo convidado
para ser o assistente
de algum grande figurão.
Ou senão, pra ter patente
de tenente ou capitão.
E logo que ele chegava,
no palácio se instalava;
e a doença, bem depressa,
no tal grandalhão pegava.

Todas aquelas pessoas,
com quem ele convivia,
que ele tão bem enxergava,
cuja voz tão bem ouvia,
como num encantamento,
ele agora não tomava
o menor conhecimento...

Seria até engraçado
se não fosse muito triste;
como tanta coisa estranha
que por esse mundo existe.

E o povo foi desprezado,
pouco a pouco, lentamente.
Enquanto que próprio rei
vivia muito contente;
pois o que os olhos não vêem,
nosso coração não sente.

E o povo foi percebendo
que estava sendo esquecido;
que trabalhava bastante,
mas que nunca era atendido;
que por mais que se esforçasse
não era reconhecido.

Cada pessoa do povo
foi chegando á convicção,
que eles mesmos é que tinham
que encontrar a solução
pra terminar a tragédia.
Pois quem monta na garupa
não pega nunca na rédea!

Eles então se juntaram,
Discutiram, pelejaram,
E chegaram à conclusão
Que, se a voz de um era fraca,
Juntando as vozes de todos
Mais parecia um trovão.

E se todos, tão pequenos,
Fizessem pernas de pau,
Então ficariam grandes,
E no palácio real
Seriam logo avistados,
Ouviriam os seus brados,
Seria como um sinal.

E todos juntos, unidos,
fazendo muito alarido
seguiram pra capital.
Agora, todos bem altos
nas suas pernas de pau.
Enquanto isso, nosso rei
continuava contente.
Pois o que os olhos não vêem
nosso coração não sente...

Mas de repente, que coisa!
Que ruído tão possante!
Uma voz tão alta assim
só pode ser um gigante!
- Vamos olhar na muralha.
- Ai, São Sinfrônio, me valha
neste momento terrível!
Que coisa tão grande é esta
que parece uma floresta?
Mas que multidão incrível!

E os barões e os cavaleiros,
ministros e camareiros,
damas, valetes e o rei
tremiam como geléia,
daquela grande assembléia,
como eu nunca imaginei!

E os grandões, antes tão fortes,
que pareciam suportes
da própria casa real;
agora tinham xiliques
e cheios de tremeliques
fugiam da capital.

O povo estava espantado
pois nunca tinha pensado
em causar tal confusão,
só queriam ser ouvidos,
ser vistos e recebidos
sem maior complicação.

E agora os nobres fugiam,
apavorados corriam
de medo daquela gente.
E o rei corria na frente,
dizendo que desistia
de seus poderes reais.
Se governar era aquilo
ele não queria mais!

Eu vou parar por aqui
a história a que estou contando.
O que se seguiu depois
cada um vá inventando.
Se apareceu novo rei
ou se o povo está mandando,
na verdade não faz mal.
Que todos naquele reino
guardam muito bem guardadas
as suas pernas de pau.

Pois temem que seu governo
possa cegar de repente.
E eles sabem muito bem
que quando os olhos não vêem
nosso coração não sente.

Nosso último informativo

SOBRE O PLANO

Segundo informações do SIMSAPEL sobre as negociações com a Prefeitura, está sendo priorizado o plano de cargos e salários e, CASO NÃO SEJA APROVADO, passarão a tratar de reajuste salarial. Então, o convidamos para pensar sobre algumas coisas:

Quem elegeu essa prioridade?

Em nenhum momento, o SIMSAPEL propôs pauta de discussão sobre as nossas prioridades. Não há publicação de chamada de assembléia do Sindicato para tratar disso. ELES DECIDIRAM POR NÓS.

Quem elaborou o plano de cargos e salários?

O plano de cargos e salários foi elaborado por uma comissão constituída pela Portaria n° 231/2007, composta por seis celetistas e um estatutário. Entendemos que essa comissão deveria ter sido composta pelo mesmo número de funcionários dos dois quadros.

Por ser o nosso plano de carreira e tratar das condições de crescimento de cada um de nós dentro do SANEP e, também, porque nem todos pensam da mesma forma, uma questão tão séria como essa precisa ser discutida e decidida pela maioria (não, apenas por sete).

Procuramos e não encontramos registros de reuniões ou assembléias em que essa comissão tentasse saber a opinião dos funcionários. Agradeceríamos se alguém pudesse nos dar mais informações.

Você conhece o plano? Se conhece, concorda com todos os pontos?

Se você conhece o plano e se concorda, só você pode responder. Porém, conversando com vários colegas, a maioria declara desconhecimento a respeito do mesmo. Ninguém pode achar bom ou ruim o que não conhece.

Nós conhecemos o que foi apresentado às chefias no ano passado. Concordamos com vários pontos e discordamos de outros.

Pela falta de diálogo da direção do Sindicato com a categoria, decidimos apresentar os pontos que consideramos principais e comentar alguns deles.

Para todos:

  • 40% de aumento divididos em 4 vezes;
  • Padrões de promoção salarial que vão de "a" a "p", dentro de cada nível, nos quais seremos enquadrados pelo tempo que temos de serviço, inicialmente. Depois, a promoção será por merecimento de 2 em 2 anos;
  • Adicional de R$ 260,00 para os trabalhadores dos hidrojateadores;
  • Adicional de qualificação por conhecimentos adicionais.

Para os celetistas:

  • Incorporação de GF;
  • Opção de mudar os avanços de qüinqüênios (5% a cada 5 anos) para triênios (3,5% a cada 3 anos);
  • Avanços de 15% aos quinze anos e de 25% aos vinte cinco anos;
  • Licença prêmio e outras licenças.

Para os estatutários:

  • Repercussão da média de horas extras no repouso semanal remunerado, nas férias e no abono natalino;
  • Possibilidade da venda 10 dias das férias;
  • Legalização da carga horária de 30 horas semanais.

MAS O PLANO APRESENTA EM SUAS ENTRELINHAS ALGUMAS PREOCUPAÇÕES COMO, POR EXEMPLO:

Promoção por merecimento:

Somente subiremos de padrão por merecimento e avaliados por uma comissão formada 3 chefes e 2 representantes do Sindicado, com base em regulamento próprio que ainda não existe. Essa comissão deveria ser formada por igual número de chefes e funcionários, e que essas pessoas conhecessem o trabalhador avaliado. Além disso, se o regulamento da avaliação for feito da mesma forma que o plano foi feito (por meia dúzia), que garantias teremos de que os critérios dessa avaliação serão justos? Será que isso não facilitaria perseguições? Por que não ter, também, uma forma de promoção por tempo de serviço?

Adicional de qualificação por conhecimento:

Aqui, temos o mesmo problema do regulamento que não existe e não se sabe como será feito.

Incorporação de GF aos chefes celetistas:

Os chefes, na sua maioria, o são ha mais de 6 anos ininterruptos ou 10 anos intercalados. Sendo assim, receberão a GF dobrada automaticamente.

Avanços de 15% e 25% estendidos aos celetistas:

A maioria dos celetistas têm mais de 25 anos de serviço. Sendo assim, levam 25% de aumento e duas licenças prêmio. Essas vantagens são do regime estatutário para compensar a inexistência de FGTS e os 40% da multa rescisória.

Por que não criaram para os estatutários uma poupança nos mesmos moldes do FGTS e um premio de 40% sobre o depositado nesta poupança a ser pago quando os estatutários se aposentarem?

CONCLUINDO:

As vantagens para os estatutários só ocorrem se esses fizerem horas extras (que estão sendo cortadas de forma gradativa) ou venderem 10 dias de férias e, mesmo assim, somadas as vantagens, não há nenhum aumento expressivo.

Devemos atentar para o fato de que tantas vantagens (GF dobrada + 5% triênios + 25% dos 25 anos + 2 licenças prêmio + 40% do plano + 26% da tabela dos padrões) transferidas de imediato para uma parte dos funcionários poderão fazer com que a folha de pagamento ultrapasse o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal. Sendo assim, nos próximos anos, poderemos não receber aumento salarial.

Ou seja, para que os chefes antigos tenham seus salários dobrados, os peões celetistas e os estatutários terão um aumentinho agora e o próximo não se sabe quando.

PARA QUEM FARÁ FALTA OS AUMENTOS QUE NÃO TEREMOS?

Podemos enviar cópia do plano que chegou às nossas mãos. É só solicitar pelo nosso e-mail: agotaquefaltava@gmail.com.

Responsáveis por este informativo: Caroline Souza, Joelmar Ferreira, Odair Leivas, Renato Abreu, Rosemeri Santos e Sérgio Sanches.